A essência do Natal



Feliz Natal!
Mas o que é o Natal? Porque vivemos actualmente uma época chamada Natal?
Durante os três primeiros séculos da nossa Era, os cristãos não celebravam o Natal. Na Bíblia, não há referências sobre o dia do nascimento de Jesus Cristo, nem recomendações para que esse dia fosse celebrado, como seriam os seus aniversários de morte e ressurreição.
Portanto, ao contrário do que muitos acreditam, a origem do Natal não está no nascimento de Jesus. A festa natalina tem origens pagãs, e foi posteriormente associada à comemoração romana denominada Brumália.
A Saturnália, festa em homenagem ao deus romano Saturno, ia de 17 a 24 de dezembro. No dia 25 de dezembro, imediatamente após a Saturnália, comemorava-se a Brumália, o nascimento do deus-sol, ou o Natalis Solis Invictus, o "nascimento do Sol Invencível". A data, no Hemisfério Norte onde era celebrado, coincide com o solstício de inverno, dia mais curto do ano, com menos horas de luz. A partir do solstício de inverno, as noites começam a diminuir, e os dias a aumentar, simbolizando assim o retorno da Luz que reside na essência das coisas e que nunca morre, avançando novamente sobre a noite depois de atingir o seu ponto mínimo mas nunca nulo.
A celebração do Sol Invencível foi estabelecida em 274 d.c., pelo imperador Aureliano, depois do seu triunfo no Oriente, e incluía corridas de cavalos - trinta bigas - em honra do Sol.
Em 325, o Imperador Constantino convocou o Conselho de Niceia, que fixou as datas mais importantes dos festivais cristãos, tendo sido estabelecido o dia 25 de Dezembro para representar a data de nascimento de Jesus por coincidir com a maior festa dos romanos - o nascimento do deus Sol, que estava largamente enraízada no povo.
Este nascimento do Sol era também celebrado por muitos outros povos do globo, em diferentes formas mas sempre com o mesmo conceito-base. Desde os Egípcios na figura de Hórus menino nos braços da sua mãe Ísis, ao nascimento de Mitra (culto romano) que contém elementos muito semelhantes aos do nascimento de Jesus; na região gaulesa, os celtas celebravam este dia sob o nome de «Deuorius Riuri», como se pode ler nessa famosa e importantíssima descoberta arqueológica que é o Calendário de Coligny.
Muitos outros elementos sobre festividades semelhantes de outros povos poderão ser vistas aqui. Assim, celebrar o Natal é celebrar o nascimento do Sol que é invencível, aquelas qualidades interiores que nos fazem resistir às adversidades, ter um novo fôlego, aquilo que constitui o melhor dentro de nós mesmos, e que são a Luz Invencível que podemos trazer a um mundo repleto de dúvidas, medos, falta de valores humanos, entre outras "sombras", e paulatinamente, fazer crescer a mesma Luz no interior dos que nos rodeiam e levar o Inverno da Vida a um Verão luminoso, à obra completa da Natureza, ao expoente máximo das realizações.
Assim termino desejando a todos um Feliz Natal: que o sol invencível nasça nos vossos corações e vos renove interiormente, trazendo, entre outras coisas, paz, alegria e amor.