O prazer do que é livre



Créditos fotográficos: Vo Anh Kiet


"O prazer apresenta-se como o verdadeiro Bem e é este que nos indica o que convém à nossa natureza. Mas o sentido do prazer reveste-se de condições especiais: tem de ser puro, duradouro e estável; tem de dar ao homem a experiência da liberdade e da imperturbabilidade.
Por conseguinte, quando dizemos que o Prazer é o Bem supremo, não falamos dos prazeres dos debochados, nem dos gozos sensuais, como pretendem alguns ignorantes que nos combatem e desfiguram o nosso pensamento. Falamos de ausência de sofrimento físico e da ausência de turbação moral."